Covid-19: África com 196 mortes e mais de 5.700 infeções confirmadas

O número de mortes pela covid-19 em África subiu para 196 nas últimas horas num universo de mais de 5.700 casos confirmados em 49 países, de acordo com as mais recentes estatísticas sobre a doença neste continente. De acordo com o Centro para...

Covid-19: África com 196 mortes e mais de 5.700 infeções confirmadas
O número de mortes pela covid-19 em África subiu para 196 nas últimas horas num universo de mais de 5.700 casos confirmados em 49 países, de acordo com as mais recentes estatísticas sobre a doença neste continente. De acordo com o Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças da União Africana (África CDC), o número de casos positivos de infeção pelo novo coronavírus em África ascende a 5.786, com as mortes associadas à doença a subirem de 173 para 196 nas últimas horas. Com os primeiros casos da doença declarados, na terça-feira, na Serra Leoa e no Burundi são agora 49 os países e territórios africanos com registo da doença. O África CDC contabiliza ainda 412 doentes recuperados. O norte de África é a região com mais casos e mortes associadas à doença, contabilizando 2.437, 136 mortes e 259 doentes recuperados. Na África Austral, há 1.436 infetados, nove mortos e 32 pessoas conseguiram recuperar. A África Ocidental regista 1.031 casos de infeção, que resultaram em 27 mortes e 132 recuperações. Até ao momento, não foram anunciados quaisquer casos em São Tomé e Príncipe, Sudão do Sul, Comores, República Saaraui, Lesoto e Maláui. Assim, São Tomé e Príncipe é o único país lusófono sem qualquer caso confirmado. Angola confirmou sete casos de infeção pelo novo coronavírus, tendo registado duas mortes associadas à covid-19, Cabo Verde regista seis casos e uma morte, Moçambique confirmou oito, o mesmo número que a Guiné-Bissau. Na Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, estão confirmados 15 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus. O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 800 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados. Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.