Foi apresentado esta tarde o Diagnóstico Social do Funchal

Decorreu esta tarde na Sala da Assembleia da Câmara Municipal do Funchal, a sessão de apresentação do Diagnóstico Social do Funchal, um trabalho que foi realizado pela Rede Europeia Anti-Pobreza – Núcleo da Região Autónoma da Madeira (EAPN),...

Foi apresentado esta tarde o Diagnóstico Social do Funchal
Decorreu esta tarde na Sala da Assembleia da Câmara Municipal do Funchal, a sessão de apresentação do Diagnóstico Social do Funchal, um trabalho que foi realizado pela Rede Europeia Anti-Pobreza – Núcleo da Região Autónoma da Madeira (EAPN), e que contou com o apoio do Município. O presidente da CMF, Miguel Silva Gouveia, começou por cumprimentar todos os presentes, em especial o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza em Portugal, padre Jardim Moreira, e referiu “a importância do diagnóstico social do Funchal, numa lógica do trabalho que a Autarquia tem vindo a desenvolver. Trabalho esse que não se circunscreve apenas ao trabalho municipal, mas sim a um planeamento aberto e em rede, que procura identificar as causas raízes da pobreza que, infelizmente, são muitas e não ficam apenas pela ausência de recursos financeiros.”   A elaboração do diagnóstico social assentou numa metodologia de trabalho participativo, que pretendeu mobilizar o maior número possível de agentes sociais e económicos, indivíduos e instituições, que com as suas visões e experiências permitiram uma análise mais holística da realidade e das necessidades existentes na cidade do Funchal.   O estudo realizado entre março de 2020 e junho de 2021, pretende ser uma ferramenta de trabalho e foi concebido de modo a permitir a sua constante atualização, fruto de uma realidade social globalizada e em permanente mutação. O documento compila uma série de informação que se encontrava dispersa e fragmentada, reunindo um conjunto vasto de indicadores relativos à situação social do concelho em diversas áreas de vida como o rendimento, habitação, saúde, educação, emprego, proteção social, alimentação, entre outras.   “Este diagnóstico social é o que vem fazer a validação de politicas que estão a ser desenvolvidas nestas diferentes áreas e que concorrem para a mitigação da pobreza. Ao longo dos últimos dois anos, mesmo em plena crise pandémica, não paramos, fomos para o terreno ouvir as preocupações da nossa população, as suas necessidades, e implementamos as medidas sociais que se impunham, com vista a responder eficazmente às inquietações dos funchalenses”, acrescentou o autarca.   Alguns exemplos dessas medidas são: a Comparticipação Municipal na Aquisição de Medicamentos para Idosos; o Subsídio Municipal ao Arrendamento; os Programas de Formação e Ocupação em Contexto de Trabalho, as Bolsas de Estudo Universitárias; entrega de tablets e internet aos alunos; e a Atribuição de Manuais Escolares gratuitos.   Miguel Silva Gouveia conclui que “a realidade que hoje constatamos, dá para perceber que as áreas identificadas são áreas onde já estamos a trabalhar, o que significa que não vamos começar do zero, mas é sempre possível melhorar. Como tal, é isso que vamos procurar fazer, resolvendo um problema que nos aflige a todos e que é da responsabilidade de todos. Espero que consigamos ir, em conjunto, ao encontro desse objetivo idílico de ter uma sociedade sem pobreza.”