Inovação: Privacidade - App Tracking Transparency

Com o crescimento das redes sociais, do uso de dispositivos móveis, das aplicações e especialmente dos mercados online, a forma como somos alvo de abordagens publicitárias, sugestões de compras ou de comuns anúncios, também mudou. Estamos constantemente...

Inovação: Privacidade - App Tracking Transparency
Com o crescimento das redes sociais, do uso de dispositivos móveis, das aplicações e especialmente dos mercados online, a forma como somos alvo de abordagens publicitárias, sugestões de compras ou de comuns anúncios, também mudou. Estamos constantemente a ser monitorizados, auscultados, seguidos, mesmo que discretamente, para que as nossas preferências, gostos e tendências sejam facilmente identificados, de modo a que a publicidade a nós dirigida, seja o mais eficiente possível. E como se consegue isso? São centenas de algoritmos que analisam tudo, rigorosamente tudo o que fazemos online e até offline. Pode parecer o verdadeiro “big brother” – se calhar até o é – mas na sua maioria das vezes até nos beneficia, uma vez que são definidos automaticamente os conteúdos publicitários ou sugestões que serão da nossa preferência, calculados com base nas centenas ou milhares de pistas que deixamos em cada momento que consultamos online uma loja, pelo tempo que demoramos a dar atenção a uma imagem, pelo tipo de pesquisas que realizamos. Nunca lhe aconteceu ter a sensação que lhe aparece um anúncio de algo que apenas “pensou”? Tudo isto não é mera coincidência, não é mero acaso, são muitas horas de registos personalizados, guardados por diversas entidades, que por recursos à mais sofisticada inteligência artificial, permitem que sejamos o produto das mais diversas corporações, cujo propósito e existência passa exatamente por isso mesmo, calcular o que nós “queremos ver”. Tudo isto acontece de forma perfeitamente consentida, pois ao querermos usar essas aplicações, ferramentas ou meios de consulta, geralmente gratuitos, consentimos conscientemente facultar toda essa informação a essas entidades, pelo menos é isso que aceita quando assinala o quadradinho no final dos textos das condições de prestação de serviço que aceitamos sem ler. Ora todo este paradigma tende e a mudar, houve quase que um descontrole de como toda esta informação é gerida e comercializada. Sendo que são esses dados que fazem com que a grande maioria das aplicações seja de utilização gratuita, que as redes sociais, onde passamos grande parte do nosso tempo online, não tenham qualquer tipo de subscrição, com uma mudança drástica da forma como passa a ser controlada, de forma mais eficaz toda essa partilha de dados, teremos, provavelmente muitas mudanças na forma e nos conteúdos que teremos disponíveis num futuro próximo. A Apple lançou na sua última versão de sistema operativo, uma ferramenta que muita desagradou ao mundo tecnológico, especialmente ao grupo Facebook, que tem sido o que mais tem contestado essa medida. São novos recursos de privacidade que oferecem ao utilizador um total controlo sobre quem permitem que continue a seguir e ver o que fazem na web ou nas aplicações. Esta medida também já foi seguida pelo outro gigante do mundo dos smartphones, a Google, embora que em prejuízo próprio, nos seus sistemas operativos Android. Mesmo que, através de anúncios apresentados nas aplicações em que algumas das empresas alegam que a permanência dessas aplicações em formato gratuito esteja comprometida, a esmagadora maioria dos utilizadores (96%) desativou a “App Tracking” logo depois de atualizar o sistema operativo, um claro sinal que a mudança é imperativa.