Já não é fácil contratar para as áreas tecnológicas

A Unipartner, uma empresa de consultadoria e integração de sistemas de informação, fundada em Lisboa em 2015, está na Madeira desde 2018 e dá emprego a 40 profissionais, tendo em mãos vários projetos regionais, nacionais e internacionais. O...

Já não é fácil contratar para as áreas tecnológicas
A Unipartner, uma empresa de consultadoria e integração de sistemas de informação, fundada em Lisboa em 2015, está na Madeira desde 2018 e dá emprego a 40 profissionais, tendo em mãos vários projetos regionais, nacionais e internacionais. O presidente do Governo Regional visitou, ontem, a empresa que tem uma aposta estratégica com a Universidade da Madeira. A Unipartner é uma das entidades que irá receber estagiários do curso.NET, no âmbito do Programa Requalificar + Digital, da Secretaria Regional de Economia, da Startup Madeira e da Universidade da Madeira, cujas inscrições decorrem até ao próximo dia 20. Aos jornalistas, o presidente da empresa, Fernando Reino da Costa admitiu que, atualmente já não é fácil contratar para as áreas da informática e soluções digitais. “Estamos numa área em que, humildemente, dizemos que temos a sorte de estar nesta indústria, porque uma área de pleno emprego. Contudo, como é uma área de muito futuro e que leva e arrasta a economia, não é estanque”, poderá faltar recursos. No caso concreto da Madeira, apontou a transformação que se irá verificar na área da saúde, com o futuro hospital, para afirmar que o setor tecnológico não está fechado em si mesmo, “tem um impacto muito grande na economia”. Daí que a Unipartner Madeira olhe para vários vetores como a Universidade da Madeira, instituição com a qual celebrou um protocolo desde que a empresa está na Madeira, para ajudar nos planos curriculares e a captar talentos para empregar. O responsável elogiou o programa Requalificar + Digital, que poderá abrir portas para o emprego de mais pessoas que podem estar em situação de desemprego, por terem formação em áreas que não são de pleno emprego. O presidente do Governo Regional apelou aos jovens para apostarem na formação tecnológica, que permite o acesso a “áreas profissionais com boas remunerações” e com possibilidade de progressão e disponibilidade de emprego. Miguel Albuquerque lembrou, a propósito, que as empresas tecnológicas na Região já representam um volume de negócios de 211 milhões de euros nos últimos dois anos. “Penso que nós vamos crescer muito nos próximos anos” e que a região será “um centro de competências”, disse o governante.