Marcelo quer confinamento em todo o mês de março

Durante as semanas que antecedem o desconfinamento é preciso “ir estudando como depois da Páscoa evitar que qualquer abertura seja um novo intervalo entre duas vagas”. [email protected] Rebelo de Sousa quer “descer a propagação...

Marcelo quer confinamento em todo o mês de março
Durante as semanas que antecedem o desconfinamento é preciso “ir estudando como depois da Páscoa evitar que qualquer abertura seja um novo intervalo entre duas vagas”. [email protected] Rebelo de Sousa quer “descer a propagação do vírus para números europeus” e considera essencial “manter o estado de emergência e o confinamento como os atuais por mais 15 dias e apontar para prosseguir março fora no mesmo caminho, para não dar sinais errados para a Páscoa”.O Presidente da República, que falava ontem ao País, quer também “melhorar o rastreio de contaminados, com mais testes, mas sobretudo com mais operacionais. E ter presente o desafio constante da vacinação possível”, pois “sem essa peças-chave não haverá um desconfinamento bem sucedido”.Consenso científicoO primeiro-ministro pediu ontem à comunidade científica um esforço para que chegue a um consenso alargado em torno de metas objetivas no plano epidemiológico e adiantou que o processo de desconfinamento no País será sempre gradual.Este desafio foi deixado por António Costa em conferência de imprensa, no Palácio Nacional da Ajuda, após o Conselho de Ministros ter aprovado o conjunto de medidas enquadradas pelo decreto presidencial - diploma aprovado por ampla maioria no parlamento e que renovou o estado de emergência em Portugal até 1 de março.FOTO DRFavoritismos nas vacinas" serão "exemplarmente punidos" O Presidente da República afirmou ontem que "os responsáveis pelos favoritismos no desvio de vacinas" serão "exemplarmente punidos", e defendeu que a partir de abril será necessário vacinar mais pessoas e mais depressa. Marcelo Rebelo de Sousa referiu que houve nas últimas duas semanas "notícias pontuais de favoritismos no desvio de vacinas".