OMS alerta para ritmo arrasador da variante delta que em breve será dominante

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou hoje para o ritmo arrasador da variante delta da covid-19 no mundo, que deverá ser em breve a estirpe dominante. “A [variante] delta está agora em mais...

OMS alerta para ritmo arrasador da variante delta que em breve será dominante
O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou hoje para o ritmo arrasador da variante delta da covid-19 no mundo, que deverá ser em breve a estirpe dominante. “A [variante] delta está agora em mais de 104 países e esperamos que em breve seja a estirpe dominante da covid-19 que circula em todo o mundo”, disse o diretor-geral numa conferência de imprensa ‘online’ a partir de Genebra, para fazer um ponto da situação do coronavírus que provoca a covid-19. Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, a semana passada foi a quarta consecutiva com aumento de casos de covid-19 no mundo, as mortes estão a aumentar de novo, os hospitais estão a atingir a capacidade e o mundo está no meio de uma pandemia crescente de duas faces, com cada vez maiores diferenças entre países. E se a variante delta se espalha rapidamente em países com elevada cobertura vacinal, em países onde as vacinas não chegam a situação é “particularmente má”, alertou Tedros Adhanom Ghebreyesus, que falou em “ondas catastróficas de casos” de covid-19, em “surtos devastadores” e em “trabalhadores da saúde exaustos” e com falta de equipamentos, em países pobres. “O mundo está a observar em tempo real como o vírus covid-19 continua a mudar e a tornar-se mais transmissível. A minha mensagem de hoje é que estamos a passar por uma emergência de saúde pública cada vez mais grave que ameaça ainda mais vidas, meios de subsistência e uma sólida recuperação económica global”, disse na conferência de imprensa. O responsável máximo da OMS afirmou também que a situação é mais grave nos países com poucas vacinas, mas alertou que a pandemia não acabou em nenhum lugar e que o mundo deveria lutar em conjunto, sublinhando ainda que o fosso global no fornecimento de vacinas é “extremamente desigual e injusto”. Tedros Adhanom Ghebreyesus disse também que as vacinas da Moderna e da Pfizer, em vez de darem prioridade a países com cobertura alta de vacinação deviam fornecer vacinas ao mecanismo COVAX (iniciativa de distribuição equitativa e global de vacinas) a África e aos países pobres, com poucas vacinas ainda. E frisou que são precisos novos centros de fabrico de vacinas e que as empresas farmacêuticas devem partilhar as suas licenças e tecnologia, salientando o exemplo da AstraZeneca, que tem liderado o licenciamento das suas vacinas em todo o mundo para aumentar a produção. Além da Europa, Índia e Coreia do Sul, vai haver mais dois locais de fabrico da vacina da AstraZeneca, Japão e Austrália, disse. E acrescentou: “Precisamos que outros fabricantes sigam este exemplo. Milhares de pessoas continuam a morrer todos os dias e isso merece uma ação urgente”. Apesar do aumento da prevalência da variante delta da covid-19, mais transmissível, responsáveis da OMS disseram hoje na conferência de imprensa que as vacinas são eficazes e que evitam a hospitalização e mortes. Mas também disseram que há uma “lacuna” entre a retórica e a distribuição de vacinas no mundo e que não se vê solidariedade.