Passe único só após alterar os transportes

O PCP apresentou um projeto que visa a ‘criação do Passe Único da Região. Ricardo Lume advoga essa necessidade, numa reivindicação que não é nova e que o próprio Governo Regional há muito referiu que irá colocar em prática, tão depressa esteja...

Passe único só após alterar os transportes
O PCP apresentou um projeto que visa a ‘criação do Passe Único da Região. Ricardo Lume advoga essa necessidade, numa reivindicação que não é nova e que o próprio Governo Regional há muito referiu que irá colocar em prática, tão depressa esteja concluído o processo de ‘remodelação’ dos transportes coletivos terrestres na Região. Lume tem consciência disso, mas o dito concurso demora em concretizar e, entretanto, os madeirenses vão sendo penalizados, relevou. O PS, primeiramente por Rui Caetano e Marina Barbosa, fez saber que subscreve o diploma, tal como Rafael Nunes (JPP), enquanto o CDS criticou o sentido de oportunidade do proponente. “Apesar de ter ouvido no último Orçamento Regional a proposta para concretizar este passe social único, não esperou e já em janeiro fez entrar este documento”, disse Lopes da Fonseca.Numa segunda ronda, Jacinto Serrão disse que “a política de transportes na Região é um desastre”, aludindo à necessidade desse passe único, até como forma de “combater a desertificação” rural.Carlos Rodrigues (PSD) reagiu efusivamente, acusando Serrão de habitualmente criticar “as acessibilidades para as zonas mais despovoadas”. Recordou ainda a “criação da Horários do Funchal, com uma rede remodelada” e a recente redução do valor dos passes. Para o Porto Moniz “eram 180 euros e agora são 40 euros. São quase 2.000 euros por ano”. “Isto é um desastre?”, questionou.E o diploma será hoje reprovado, porque em marcha está então aquele plano de restruturação do modelo, através de concurso internacional para a respetiva concessão, e até lá haverá passe único, porque se trata de uma ação concertada.