PS ouve produtores sobre mais uma ameaça que 'paira' sobre agricultura regional

O Grupo Parlamentar do PS Madeira reuniu, esta tarde, com um grupo de agricultores do Jardim da Serra, em Câmara de Lobos, onde apresentou a resposta dada pelo Governo Regional, quanto às dificuldades que os produtores têm enfrentado em consequência...

PS ouve produtores sobre mais uma ameaça que 'paira' sobre agricultura regional
O Grupo Parlamentar do PS Madeira reuniu, esta tarde, com um grupo de agricultores do Jardim da Serra, em Câmara de Lobos, onde apresentou a resposta dada pelo Governo Regional, quanto às dificuldades que os produtores têm enfrentado em consequência do aumento das perdas provocadas pelo pombo torcaz.  Resposta essa que não agrada os produtores regionais que reclamam por medidas mais eficazes. A deputada Elisa Seixas, em declarações à comunicação social, lembrou que "o PS Madeira tem sido contactado por vários produtores que se queixam que as suas produções têm sido muito prejudicadas pela ação do pombo torcaz, espécie protegida que tem vindo cada vez mais para cotas mais baixas, afetando uma boa parte das culturas dos nossos produtores regionais".  Dessa feita, o Grupo Parlamentar do PS Madeira solicitou esclarecimentos ao Governo Regional, nomeadamente à Secretaria Regional da agricultura e à Secretaria Regional do Ambiente, sobre as medidas aplicadas no terreno e como forma de alcançar uma solução que proteja a produção os agricultores. Elisa Seixas revelou que a resposta referiu que "a guarda florestal deve ser contactada para afugentar essas colónias" e que "existe um apoio para os sistemas de proteção de culturas contra espécies protegidas que financia a aquisição de alguns instrumentos que afugentam o pombo torcaz". O PS denota que os agricultores têm pouca informação quanto às medidas em vigor, nomeadamente no que diz respeito aos apoios existentes para minimizar esta problemática. "Aquilo que nós sabemos é o seguinte: foram pouco os produtores que tiveram acesso a esta informação", disse, explicando que "muitos dos agricultores com quem falamos não tiveram acesso à informação de que poderiam candidatar-se a este mecanismo", facto que justifica a existência de apenas quatro candidaturas, quando este problema afeta culturas no Porto Moniz, Ribeira Brava, Santo da Serra, Santana e Jardim da Serra.  "São manifestamente poucas as candidaturas tendo em conta a quantidade de pessoas que se queixam do efeito do pombo torcaz", frisou.  Para além disso, salienta que "também notamos que há um certo atraso na atribuição dessas candidaturas, porque em quatro candidaturas, apenas uma já teve resposta", sendo que "a única candidatura que teve resposta obteve um apoio mínimo."  Assim, a deputada Elisa Seixas destaca que "aquilo que os produtores nos dizem é que a atuação da guarda florestal não é suficiente e que ao nível dos apoios, os valores são irrisórios perante a dimensão deste problema".  A parlamentar socialista sustenta que "aquilo que nós exortamos é que estas medidas sejam reforçadas e, principalmente que se faça recenseamento à população do pombo torcaz, para que se perceba a razão para que estejam a sair da floresta e em tanta quantidade". "Os agricultores precisam de respostas mais sustentadas e que tenham resultados, porque estas manifestamente não estão a resultar", concluiu.