Ricardo Vasconcelos defende valorização do Artesanato da Camacha

Como forma de preservar a identidade cultural da terra da qual demonstra ser acérrimo defensor, Ricardo Vasconcelos, candidato peça coligação PSD/CDS à Junta de Freguesia da Camacha vem, nesta sequência, defender a aposta na dinamização e revitalização...

Ricardo Vasconcelos defende valorização do Artesanato da Camacha
Como forma de preservar a identidade cultural da terra da qual demonstra ser acérrimo defensor, Ricardo Vasconcelos, candidato peça coligação PSD/CDS à Junta de Freguesia da Camacha vem, nesta sequência, defender a aposta na dinamização e revitalização do artesanato local. “Desde o vime ao barrete de orelhas, há muito por valorizar e promover naquilo que é nosso e genuíno e é fundamental que essa aposta seja forte e que existam ações concretas, até porque o artesanato na Camacha está vivo e tem mercado" assegura o candidato, que, a este propósito, reforça que os contactos mantidos com artesãos locais vieram comprovar a estratégia da sua candidatura. No caso da obra de vimes, arte tão identitária, típica e caraterística da freguesia da Camacha, é realmente essencial “que se aposte na sua revitalização e relançamento, de modo a que possa assumir o lugar de destaque que merece", prossegue o candidato, que, embora reconheça que "as competências e a capacidade financeira da Junta de Freguesia não são suficientes, também afirma que isso não pode servir de desculpa nem resultar em inação, até porque é possível trabalhar em rede e insistir, junto das entidades governamentais, na implementação de ações de formação para artesãos, ateliers intergeracionais, inclusão destas aprendizagens em ambiente escolar e, inclusive, apoios diretos aos produtores". Ricardo Vasconcelos que, nesta lógica, sublinha que a sua estratégia passa, precisamente, por garantir a formação necessária para a captação de novos artesãos – pessoas que queiram aprender a arte e, por outro, na promoção de ateliers internacionais que incluam estas aprendizagens em ambiente escolar, possibilitando a passagem da arte para as novas gerações e para os professores de Educação Visual e Tecnológica." Não menos importante e determinante, acrescenta, “é a necessidade de incentivar e incrementar a produção do Vime junto dos agricultores”, de modo a garantir que exista a matéria prima necessária à revitalização e dinamização da produção. “Temos de ser persistentes, resilientes e lutar para que esta arte tão Camacheira ganhe novas dinâmicas, inclusive com a incorporação do design adaptado à realidade atual e a verdade é que é possível e vamos Cumprir a Camacha, também através da revitalização da Obra de vimes”, conclui Ricardo Vasconcelos.