Sara Cerdas apela a financiamento adequado para a agricultura regional

Sara Cerdas defendeu, hoje, o financiamento adequado da agricultura regional, durante a apresentação das prioridades da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, no Parlamento Europeu, pela Ministra da Agricultura, Maria do Céu...

Sara Cerdas apela a financiamento adequado para a agricultura regional
Sara Cerdas defendeu, hoje, o financiamento adequado da agricultura regional, durante a apresentação das prioridades da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, no Parlamento Europeu, pela Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes. Dirigindo-se à governante, a eurodeputada questionou como é que a presidência portuguesa da UE tenciona garantir que os agricultores das regiões ultraperiféricas dispõem de “financiamento adequado”, como por exemplo o POSEI, para cumprir os objetivos do Pacto Ecológico Europeu. Na sua intervenção, Sara Cerdas sublinhou ainda os desafios que as regiões ultraperiféricas vão enfrentar. “As suas características ligadas à insularidade, representam um grande desafio e necessitam de apoio para o seu desenvolvimento, no que cabe à inovação na agricultura e desenvolvimento regional”, afirmou. Entre os objetivos traçados pela UE neste setor estão a transformação da agricultura, o aumento da agricultura biológica e a redução da utilização de pesticidas. No entanto, a eurodeputada madeirense quer assegurar que, para além de medidas objetivas para atingir estes objetivos, entre os quais o financiamento adequado, é dada uma especial atenção às regiões ultraperiféricas e aos agricultores locais, apelando a que a presidência tenha em conta esses aspetos. Sara Cerdas deixou ainda um elogio ao governo português “pelos objetivos ambiciosos em matéria de política agrícola, expressos no programa da Presidência Portuguesa”, realçando, no entanto, que esta terá grandes desafios num curto espaço de tempo. “Todos queremos uma recuperação justa, verde e digital”, destacou. Dirigindo-se à governante, a eurodeputada questionou como é que a presidência portuguesa da UE tenciona garantir que os agricultores das regiões ultraperiféricas dispõem de “financiamento adequado”, como por exemplo o POSEI, para cumprir os objetivos do Pacto Ecológico Europeu. Na sua intervenção, Sara Cerdas sublinhou ainda os desafios que as regiões ultraperiféricas vão enfrentar. “As suas características ligadas à insularidade, representam um grande desafio e necessitam de apoio para o seu desenvolvimento, no que cabe à inovação na agricultura e desenvolvimento regional”, afirmou. Entre os objetivos traçados pela UE neste setor estão a transformação da agricultura, o aumento da agricultura biológica e a redução da utilização de pesticidas. No entanto, a eurodeputada madeirense quer assegurar que, para além de medidas objetivas para atingir estes objetivos, entre os quais o financiamento adequado, é dada uma especial atenção às regiões ultraperiféricas e aos agricultores locais, apelando a que a presidência tenha em conta esses aspetos. Sara Cerdas deixou ainda um elogio ao governo português “pelos objetivos ambiciosos em matéria de política agrícola, expressos no programa da Presidência Portuguesa”, realçando, no entanto, que esta terá grandes desafios num curto espaço de tempo. “Todos queremos uma recuperação justa, verde e digital”, destacou.